Você planeja migrar ou já migrou para um e-commerce? Saiba que não é tão simples quanto parece. O que o mercado vende são muitas vezes são soluções desconexas da sua realidade de negócio, sem levar em conta o seu público consumidor e também a sua estrutura de operação de vendas. Grandes problemas advém do tráfego de informações de forma massiva, como foi o caso que apresento da Essenciallez.


Alguns aspectos foram negligenciados no plano de construção do projeto da Essenciallez, mostrando uma visão equivocada na utilização do app criado como forma de integração no site de vendas, que já vinha bem desde a sua implantação. A primeira questão a ser considerada é a falta de conhecimento pela empresa do seu consumido digital.

A premissa básica é de que não há controle sobre o público consumidor na internet de um modo geral. Em “E-commerce: conceitos, implementação e gestão, (Stefano & Zatar) citam: “Numa outra perspectiva, se analisarmos a internet como ferramenta, chegaremos ao conceito de inteligência coletiva e ciberespaço criados por Pierre Lévy (1998). Segundo este autor, todos os indivíduos acumulam a própria inteligência por meio de vivências pessoais, que devem ser respeitadas e podem servir como modo de interação social, levando à inteligência coletiva. Assim, a internet serviria como uma forma de comunicação social, criando um espaço igualitário em tempo real.” Não observar a diversidade de seu público consumidor é um risco muito grande, como foi o resultado da implantação mal executada do APP.


Quer saber o desfecho e conhecer um pouco mais sobre o consumidor digital e como pensar uma estratégia integrada para construção de um e-commerce, bem como a sua correção de operação? Baixe o e-book completo sobre o caso e boa leitura!

Flávio Freitas é administrador de empresas formado pela UNIFEI-SP (1997). É formado pela FIA-USP em MBA em Recursos Humanos (2003) e Gestão de Qualidade de Vida no Trabalho (2004). Com 30 anos de experiência em auditoria (BDO) e consultor em empresas do setor de indústria, serviços e comércio desde 2003, atua também como produtor cultural no mercado de música e dança (desde 2005) e criou a Empresa do Futuro, uma Startup digital que atua com suas marcas e soluções: Contabilidade Consciente e Consultoria Consciente. Atualmente está cursando Ciências Contábeis na FIPECAFI-SP e MBA em Marketing Digital na FMU-SP.

Deixe sua opinião